Cinema Catalão
Breve História do Cinema Catalão

Em 1896 a comunidade catalã tomou contato com a nova invenção dos irmãos Lumière: o cinematógrafo. Como no resto da Espanha, o cinematógrafo demorou algum tempo para conseguir eco na sociedade catalã. Não obstante isso, durante estes primeiros anos e durante toda a primeira fase do cinema até a chegada da República e da Guerra Civil, o cinematógrafo destacou-se muito em Barcelona e de maneira muito rápida. Enquanto a sociedade madrilenha tardou em incorporar o cinematógrafo como um possível entretenimento, passados já alguns anos do século XX, em Barcelona o primeiro cinematógrafo surgiu, segundo consta nos arquivos, em 1897. Foi a família Belio que inaugurou o negócio na Catalunha, ainda que o cinema àquela época fosse algo inicipiente, uma espécie de espetáculo como um show ou um número de cabaré.

Em nenhum momento se pensava que o cinema pudesse chegar a ser uma verdadeira arte. Surge, então, uma pessoa que foi fundamental para a história do cinema feito na Catalunha: Fructuoso Gelabert. Seu Riña em un café não só foi um dos primeiros filmes catalães, mas o primeiro filme ficcional de toda a Espanha. Pouco a pouco a Catalunha, mais concretamente Barcelona, converte-se em uma das cidades com maior número de cinematógrafos em todo o mundo, podendo comparar-se com cidades como Nova York, por exemplo. Assim, Barcelona era, a meados dos anos dez, o coração da produção cinematográfica espanhola. Por estes anos começam a ser gestados diferentes temas cinematográficos para além dos literários, os mais comuns da época. As causas disso podem ser encontradas olhando-se a sociedade. Há que se ver que o teatro e as zarzuelas, assim como as óperas, eram os principais entretenimentos do povo e da elite e os incipientes cineastas da época - visando a agradar ao público - não podiam senão oferecer-lhe aquilo que já conheciam. Além disso, quem se arriscaria à experimentação tendo os setores mais puristas e conservadores da Igreja nos calcanhares, pressionando-os? De fato, por volta dos anos vinte o cinema de Barcelona recebeu o mais duro golpe em seu crescimento com o aparecimento de certas leis de censura ao cinema na Espanha, que surgiram por pressão da Igreja e pela instabilidade política do momento. Nesse período, o cinema catalão perdeu muito de sua força já que muitos cineastas foram forçados a abandonar a cidade e redirecionar suas carreiras para Madri, Valência ou para o exterior (principalmente França).

Em 1931, com a chegada da República, o cinema voltou a estar em igualdade de condições com outras cidades espanholas. Em 1932 Francisco Elías, após muitos anos no exterior, chega a Barcelona com a intenção de instalar estúdios de dublagem e som podendo, desta forma, aplicar estas novas tecnologias às produções nacionais o que, a um só tempo, incrementava o cinema catalão e baixando custos. Graças a esse fato Barcelona, já em 1936, possui 114 salas de projeção capacitadas a exibir películas sonoras. São filmes desta época Carceleras (1932) e El Café de la Marina (1933). À essa época o cinema começou a politizar-se. A radicalização da sociedade espanhola (e catalã) e a instabilidade econômica e social foram as fontes onde muitos dos cineastas foram buscar inspiração para os seus filmes. Produtoras como a SIE ou Edições Antifacistas (cujo nome fala por si só) são exemplos da influência da política no cinema na sociedade catalã. Outras provas disso foram as mudanças de nome de algumas salas de projeção: o Salón Gran Via passou a chamar-se Salón Durruti, em homenagem ao famoso militar. Obviamente o advento da Guerra não favoreceu a situação do cinema espanhol (e catalão).

A produção cinematográfica da época - como em anos anteriores - será marcada pela política do grupo que se encontrava no poder. Censura estrita e queima indiscriminada de filmes são os responsáveis por haver tão pouco material disponível, hoje, daquele período. Durante o Franquismo, filmes como Años de la Victoria, ou os novos nomes das salas de Barcelona (Murillo, por exemplo) foram as marcas visíveis de uma sociedade que havia sofrido muito. A Catalunha sentiu o golpe e decaiu no que se refere ao cinema, principalmente por culpa do exílio de muitos de seus cineastas mais importantes. Na Catalunha - como em todas comunidade com línguas autóctones - todos aqueles que tivessem indícios nacionalistas eram rapidamente eliminados, censurados e destruídos. Assim, os estúdios Orphea y Lepanto foram arrasados pelas forças estabelecidas e todo o material arquivado foi destruído. O objetivo do "regime" era converter o cinema num instrumento político para ganhar a confiança e o amor do povo, assim como eliminar as idéias nacionalistas ou esquerdistas. Os anos 60 assistem ao surgimento de novos expoentes que não haviam vivido a guerra e esperavam ansiosos pelo fim do "regime" para expressar-se. Na onda do espírito rebelde que acontecia por aqueles anos no mundo todo, a Catalunha e os jovens catalães começaram a fazer um cinema mais diversificado.

Outro importante tema relacionado à essa rebeldia reflete-se em obras como La Piel Quemada, de Josep M. Forn (1967). O desejo por mudanças da juventude catalã da época refletia-se, assim, no cinema. Por outro lado, as Jornadas Internacionais de Escolas de Cinema celebradas em Sitges em 1967 trouxeram um verdadeiro boom para as pessoas e para o mundo do cinema, já que se tratava de um acontecimento que, depois de tantos anos, punha em contato o cinema catalão com o do resto do mundo. Já nos anos 70 a cultura, incluindo o cinema, converte-se numa arma poderosa dos democratas para derrubar resquícios do autoritarismo. Começa a ser articulada uma remodelação do cinema espanhol e, consequentemente catalão, buscando temas e estilos proibidos ou censurados durante o Franquismo. com filmes que vão da semana trágica de 1909 ou à Guerra Civil até filmes eróticos ou de fortes críticas ao "regime".

Por exemplo, o cineasta antes mencionado, Josep M. Forn, fez Companys, processo a cataluña sobre a detenção e execução do presidente catalão pelas tropas nacionais na Guerra Civil. Há de se ressaltar, também, que nestes anos surge para o público o cineasta Josep Joan Bigas Luna, que hoje é um dos maiores cineastas da Espanha e reconhecido internacionalmente. Seu filme Bilbao contribuiu fortemente para a evolução do cinema catalão. Os anos 80 e 90 são prósperos para o cinema feito na Catalunha.

A aprovação do Estatuto, a Fundação de múltiplas cadeias de televisão (TV 3, Telecinco, A3, etc.) permitiu - ao longo dessas duas décadas - que o cinema catalão formasse profissionais de grande nível. Homens e mulheres, como Vicente Aranda, Isabel Coixet, Bigas Luna ou Manuel Huerga, são alguns nomes entre dezenas de outros.

 Mais...
Cursos
Exposições
Mostras de cinema
Palestras
Eventos
Sessões de Vídeo
Músicas

















Com o apoio de :